lunes, 29 de agosto de 2011

BRASIL: LOS ABUSOS EN LAS CONCESIONES FERROVIARIAS DELAPIDAN PATRIMONIO PÚBLICO DE VÍAS DE 3.259 KM. CONCEDIDA EN RS, SOLAMENTE HAY ACTIVAS 2.108 KM.


O seminário "Diagnóstico e Estratégias das Ferrovias no Sul do País", que acontece na próxima sexta-feira (26), organizado pela Frente Parlamentar das Ferrovias da Câmara Federal, em parceria com a AL-RS, vai fazer uma radiografia do sucateamento das malhas concedidas no Estado. No Rio Grande do Sul a malha ferroviária foi concedida à ALL – América Latina Logística, tendo no contrato de concessão somente duas exigências: aumento da meta de produção e redução do nº de acidentes. “O que vimos foi que a concessionária terminou por aumentar a produção apenas nos trechos de grande demanda, abandonando ou subutilizando os não rentáveis, relegando inúmeros trajetos ao sucateamento”, diz Jerônimo.


Com a privatização das ferrovias, realizada no Brasil em 1992, a malha concedida foi de 28.831 km, sendo 5430 km de bitola larga e 23.924 km de bitola estreita. Da malha de 3.259 km concedida no RS, somente 2.108 km estão ativos, sendo que 250 km só funcionam na época da safra.

Quase quinze anos após a privatização, observa-se a falta de investimentos nas vias, em vagões, locomotivas e estações. A ANTT informou recentemente que dois terços das ferrovias no Brasil estão subutilizados ou abandonados e o Ministério Público Federal estima que essa situação tenha produzido um prejuízo na ordem dos R$ 40 bilhões ao patrimônio público, o mesmo valor que está sendo previsto para a implantação do primeiro trem-bala brasileiro.

“Vamos debater a extensão da ferrovia Norte Sul e a implantação da Ferrosul, já que é de interesse direto dos quatro Estados que formam o CODESUL. Não foram poucas as reivindicações de novos trajetos que recebemos nas audiências realizadas durante os trabalhos da Comissão Especial da AL-RS, que pude presidir em 2009, para a criação da Ferrosul. Já conseguimos avanços após as denúncias que levamos ao ministério dos transportes sobre descumprimento de contratos, o que fez a ANTT apertar o cerco às concessionárias, exigindo o cumprimento de metas. Precisamos de mais mobilização e este seminário será muito importante para definirmos estratégias e ações”, completa Jerônimo.(Fuente. Diputado Federal Jerónimo - Nota enviada por nuestro colaborador en Brasil Ing. Paulo Ferraz)

2 comentarios:

  1. Lo de ALL es una vergüenza, se debería tomar nota de eso, por lo que veo Brasil tiene dos trochas: media y angosta (métrica), es ideal para integrar la redes de los estados de Río Grande Do Sul, Santa Catarina y Paraná con el ex-FC Urquiza en la Mesopotamia, sin embargo mientras esté en ambos países ALL, será difícil dar utilidad al tren. También Uruguay y Paraguay podrían formar un gran corredor ferroviario, pero los gobiernos que fuimos teniendo en todos estos países siempre fueron antiferroviarios, espero que ahora todo empiece a cambiar.

    ResponderEliminar
  2. Por lo que sé, Brasil tiene trocha métrica y una trocha ancha de 1,60m que sólo es empleada además por Irlanda.

    ResponderEliminar

Usted podrá dar su opinión libremente, pero aquellos comentarios que vengan con insultos, improperios, etc. y sin colocar nombre y apellido, nombre y/o pseudónimo no serán publicados.